Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

O dilema da sede própria.

O dilema da sede própria.

Muitos empresários quando procuram o auxílio de uma consultoria trazem consigo a seguinte dúvida: Ter ou não ter a sede própria? Essa questão muitas vezes é tema de discordância entre sócios, ou comumente entre fundadores e herdeiros da empresa quando familiar. Tendo em vista a frequência com que tal dilema é encontrado resolvemos discorrer sobre o tema neste artigo.
Afinal, é bom ou ruim investir na sede própria? Se respondermos essa pergunta friamente, utilizando apenas critérios matemáticos a resposta é majoritariamente negativa. Não vale a pena investir em uma sede própria. Mas porquê?
Imagine que você tenha uma rentabilidade sobre o seu negócio de 10% ao mês. Sua empresa é estabelecida em um galpão alugado a um valor de R$5mil mensais. Ao fazer um levantamento para descobrir quanto gastaria para adquirir um terreno e edificar sua nova sede, a própria, você obtém o valor de R$200mil. O primeiro pensamento seria dividir esse valor pelo valor do aluguel (200.000 / 5.000) e chegar a conclusão de que em 40 meses livres do aluguel seu investimento está pago. Dali para frente você “aumenta” seu lucro em R$5mil ao mês. E é esse o pensamento utilizado por muitos empresários na hora de tomar a decisão de construir. Levando apenas em consideração construção e aluguel essa decisão não estaria errada. Porém o empresário deve sempre analisar uma variável chamada custo de oportunidade. Se o mesmo empresário optasse por não construir a sede própria e investir os R$200mil no próprio negócio, admitindo a mesma rentabilidade de 10%, a conta ficaria assim:
Investimento no negócio: R$200mil, ao final do mês obteríamos R$20mil de rentabilidade (200.000 x 10%). O suficiente para se pagar 4 meses de aluguel. Mas a matemática não para por aí. Se optarmos por reinvestir o capital de R$200mil somado ganho na empresa no mês anterior de R$20mil deduzindo o valor do aluguel do mês (R$5mil) faríamos um novo investimento, agora de R$215mil. (200.000 + 20.000 – 5.000). Como resultado ao final do segundo mês temos R$21,5mil de rentabilidade (215.000 x 10%). O que nos dá um montante de R$236,5,mil ao final do segundo mês (215.000 +21.500). Repetindo o processo: R$236,5mil – R$5mil = R$231,5mil + 10% ao final do período obtemos R$254,65mil. E essa matemática pode seguir se repetindo por toda a vida da empresa.
A via matemática é clara nos dizendo não ser a melhor opção investir na construção da própria sede, mas é só isso mesmo que deve ser levado em consideração?
Ultrapassando a barreira dos cálculos encontramos muitas vezes pessoas por trás das empresas que olham para seus negócios como objetivos de vida. Iniciados em garagens como forma de manter a própria sobrevivência essas empresas crescem, se desenvolvem, e tornam prósperas as vidas de quem não raro começou do zero. Para esses empresários nós dizemos que sim, construir a sede própria não é algo ruim, porém é preciso fazer uma grande análise para saber qual o momento certo para que isso aconteça sem prejudicar a sobrevivência da empresa. Se você é empresário e alimenta esse sonho clique aqui, teremos o maior prazer em lhe auxiliar a tomar a decisão certa para você e a sua empresa.